Semana C&T 2009

2017  |   2016  |   2015  |   2014  |   2013  |   2012  |   2011  |   2010  |   2009  |   2008  |   2007  |   2006  |   2005  |   2004  |   2003  |   2002  |   2001  |   2000

 

 

24.novembro.2009

 

Introdução ao evento pelo Gabinete de Comunicação e Planeamento (GCP)

Um centro de investigação em Sociologia? Breve apresentação

 

Atividade 1

Quem governa e como governa?

Investigadores: Goffredo Adinolfi e Catherine Moury

Esta atividade tem como objetivo introduzir o estudo da identidade e do comportamento das elites políticas. Por um lado, dando conhecimento dos instrumentos informáticos para a elaboração de dados estatísticos (em particular o SPSS). Por outro lado, tentando demonstrar como se procede ao estudo, quer da composição das elites políticas, quer do seu comportamento durante a campanha eleitoral e durante a permanência nos cargos governativos.

 

Atividade 2

Jovens de Bairros Sociais: Quantos Caminhos há no Mundo?

Investigadores: Cristina Roldão e Alexandre Silva

Muitas são as ideias sobre os bairros sociais e sobre os trajetos de vida dos jovens que aí habitam. Uma dessas ideias prende-se com uma visão dos bairros sociais enquanto focos de insegurança pública. Outra, relacionada com a primeira, estabelece uma relação direta entre criminalidade e imigração.

Através da análise de documentação sociológica e mediática de caracterização geral dos bairros sociais portugueses e de algumas entrevistas realizadas a jovens de um bairro social da AML, convidamos os participantes a realizar um pequeno ensaio sobre os fatores que determinam os trajetos de vida dos jovens desses contextos.

 

Atividade 3

Dinâmicas sócio-demográficas no Algarve: ler o território através de mapas

Investigadores: Sofia Santos

Tendo definido como casos de estudo dois concelhos no Algarve, optou-se por recolher e analisar informação estatística da região (por concelho e freguesia) e posteriormente cartografá-la, utilizando software de Sistemas de Informação Geográfica. Várias questões metodológicas se levantam mas são evidentes as vantagens da cartografia temática para a leitura e análise de dados territorializados. A apresentação pretende explorar esta mais-valia do carácter multidisciplinar do projeto, recorrendo a exercícios simples de manipulação e visualização de informação geográfica.

 

Atividade 4

Aprender a observar - uma introdução à etnografia

Investigadores: Rita Cachado e Inês Pereira

Introdução ao conceito de Etnografia e suas utilizações. Serão fornecidos exemplos de trabalhos realizados por Antropólogos e Sociólogos. Seguir-se-á a realização de pequena experiência pessoal da realização de etnografia com observação participante - exercício prático -, que consistirá na dispersão dos alunos presentes por diferentes locais do ISCTE. Os alunos deverão observar e registar o que vão vendo ao longo de 25 minutos. No final desse exercício, os alunos deverão expressar oralmente, de forma resumida, a sua experiência. Concluídas as apresentações, será feita uma sistematização das vantagens e das dificuldades da utilização deste método e entregar-se-á material de apoio a esta actividade, nomeadamente bibliografia.

 

Atividade 5

Estudar os Consumos Terapêuticos em Portugal: Potencialidades e Limites do Inquérito por Questionário

Investigadores: Carla Rodrigues

Nesta sessão, serão apresentados alguns dos resultados do estudo "Medicamentos e Pluralismo Terapêutico - consumos, lógicas e racionalidades sociais", com base na análise descritiva e multivariada das respostas obtidas através de um inquérito por questionário. Estes resultados mostram como os diferentes consumos, cada vez mais plurais - desde Medicamentos a Alimentos Funcionais - dão lugar a configurações terapêuticas diversas. Serão, também, discutidas as potencialidades e os limites do inquérito por questionário, enquanto instrumento de recolha de dados para este estudo.

 

Atividade 6

Notícias que desinformam: "Licenciados em Portugal são mais do que nos outros países da OCDE"

Investigadores: Frederico Cantante e Inês Baptista

A apresentação de dados estatísticos pelos media assume-se como uma das principais formas de informação dos cidadãos face a um conjunto de indicadores de natureza social, económica ou política. Todavia, casos há em que a informação por eles veiculada não é coincidente com os resultados estatísticos apurados pelas instituições que os produzem.

O exercício proposto pelo Observatório das Desigualdades consiste na análise de uma notícia publicada num jornal diário português a propósito de um relatório recente da OCDE. Procurar-se-á comparar a informação transmitida pela notícia do jornal (nomeadamente o seu título) com os dados publicados no relatório em causa e com a notícia publicada no site do Observatório das Desigualdades.

 

 

 

Sessão de trabalho

 

Sessão de trabalho

Apresentação final 

 

ISCTE FCT
W3C