(Des)igualdades nos trajetos escolares dos descendentes de imigrantes
Resumo

Anualmente, a DGEEC do Ministério da Educação sistematiza a frequência e os resultados escolares obtidos pelos alunos dos ensinos básico e secundário segundo a sua nacionalidade e é possível sabermos que o desempenho escolar (medido pelas taxas de transição e pelo encaminhamento para vias não regulares de ensino) é bastante variável de acordo com a nacionalidade em causa. Não é possível conhecermos o impacto que produz nestes resultados um conjunto de variáveis preditoras dos mesmos, como são as condições socioeducativas dos progenitores, o sexo do aluno ou a composição socioétnica da escola e da turma que frequentam. Serão os efeitos semelhantes para todas as origens nacionais? Que variáveis revelam ser mais decisivas nos resultados obtidos pelos alunos com origem na imigração?

Foi possível estabelecer um protocolo entre o CIES-IUL e a DGEEC/MEC que torna possível a disponibilização regular (anual) da informação estatística recolhida pelo MEC no que se refere aos alunos que têm origem na imigração, na forma de micro dados. Com recurso a esta informação, pretende-se responder às questões enunciadas, traçando um retrato da escolarização destas crianças e jovens ao longo da presente década no nosso país.

Date de Início
2019-01-01
Date de Fim
2022-12-01
Informação transferida do Ciência-IUL
W3C